GREVE DOCENTE, GOVERNO INDECENTE

A Universidade Federal do Pará não assiste a uma greve de professores há sete anos. E durante todo esse tempo, muito se foi feito para tentar evitar que esta acontecesse. Entre tentativas frustradas de negociações e acordos, em 2011, o Governo Federal se comprometeu com o ANDES – SN (sindicato que representa os professores das Instituições Federais de Ensino) a realizar reajuste salarial de 4% e reestruturação da carreira docente até março de 2012. Descumpriu. E o reajuste dado no final de maio desde ano, com clara intenção de frear as mobilizações docentes, não atendeu a principal reivindicação da categoria: a carreira única, a reestruturação da carreira com a valorização do piso e a incorporação das gratificações aos salários, ou ainda a melhoria das condições de trabalho nas IFES (Instituições Federais de Ensino Superior).
Não é por coincidência que a greve já tem ampla aceitação nacional (até hoje, 43 Universidades estão paralisadas) e se configura como a maior greve dos dez últimos anos. Ao contrário do que propagandeia o governo, a situação das Universidades Federais tem piorado. E não podia ser diferente: devido ao REUNI, as Universidade vêm passando por um processo de expansão sem o aumento proporcional de infra-estrutura e do corpo docente, o que tem ocasionado reflexos bastante problemáticos. Falta sala de aula, laboratório, restaurante e moradia universitária… Professores tiveram sua carga horária aumentada em até 40% e aumento na relação professor/aluno, gerando salas de aula cada vez mais super lotadas.
Não bastasse isso, só nos últimos dois anos, o governo Dilma (PT) cortou aproximadamente R$ 5 bilhões da educação, enquanto metade do Orçamento é destinada integralmente ao pagamento da dívida pública. Impossível não citar, também, a proposta do Plano Nacional da Educação (PNE) apresentada pelo governo com metas de aplicação de apenas 7% do PIB para a educação até 2020, contrariando as reivindicações do movimento estudantil brasileiro que reivindica 10% do PIB pra educação pública, Já! Fica claro, então, o projeto do governo em relação à educação pública do país: a concepção neoliberal que submete os bens públicos a privatizações e parcerias público-privadas e que não prioriza a educação!
E nós estudantes, o que temos com isso?
Toda essa situação tem nos prejudicado muito. Mas não é a greve que nos atrapalha, nem são os professores os culpados por ela. O reflexo de todos os ataques feitos pelo governo é percebido por nós, em nosso dia-a-dia na universidade. As aulas de alguns laboratórios de publicidade estão superlotadas; os equipamentos eletrônicos necessários para a realização dos laboratórios (máquinas fotográficas, gravadores…) são insuficientes e sucateados; corpo docente da Facom tem de fazer milagres para garantir todas as disciplinas obrigatórias de um semestre, e se dividir entre a pós e a graduação.
Toda nossa vivência acadêmica é prejudicada pelo sucateamento das universidades públicas e somos diretamente atingidos pela precarização do trabalho docente, afinal, professores sobrecarregados não conseguem se dedicar como deveriam à sala de aula e muito menos à pesquisa e à extensão.
Por isso, tornamos público nosso apoio e solidariedade à luta dos professores. Por entendermos que lutar pela reestruturação da carreira docente e por melhores condições de trabalho é também lutar pela qualidade da nossa formação, em defesa da educação pública, gratuita e de qualidade.

Nota do Coletivo Enecos Pará e o Centro Acadêmico de Comunicação Social da UFPA em apoio à greve docente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s